segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Seja Tudo Para Mim...


Baph O Witch

Seja tudo para mim…
Tudo de demoníaco…
Tudo de angelical…
Tudo que assassina…
Tudo que vivifica…
Tudo que degrada…
Tudo que eleva…
Tudo que prostitui…
Tudo que santifica…
Tudo que destrói…
Tudo que constrói…
Tudo que envenena…
Tudo que cura…
Tudo que enlouquece…
Tudo que esclarece…
Tudo que inebria…
Tudo que equilibra…
Tudo que despedaça…
Tudo que ajunta…
Tudo que desperdiça…
Tudo que acumula…
Tudo que agride…
Tudo que acaricia…
Tudo que consome…
Tudo que energiza…
Tudo à esquerda…
Tudo à direita…
Tudo ao centro…
Tudo à frente…
Tudo atrás…
Tudo temporário…
Tudo permanente…
Tudo ausente…
Tudo presente…
Tudo inexistente…
Tudo existente…
Tudo frágil…
Tudo resistente…
Tudo a chamar…
Tudo a prender…
Tudo a ganhar…
Tudo a perder…
Tudo a soltar…
Tudo a saltar…
Tudo a voar…
Tudo a rastejar…
Tudo a nadar…
Tudo a correr…
Tudo a parar…
Tudo indo…
Tudo vindo…
Tudo morrendo…
Tudo nascendo…
Tudo envelhecendo…
Tudo rejuvenescendo…
Tudo…
Tudo…
Tudo…
Tudo…
Tudo…
Tudo…
Tudo…
Tudo…
Tudo…
Seja tudo para mim…
Seja…
Seja…
Seja…
Seja…
Seja…
Seja…
Seja…
Seja…
Seja…
Seja tudo para mim…
Para mim…
Para mim…
Para mim…
Para mim…
Para mim…
Para mim…
Para mim…
Para mim…
Para mim…
Seja tudo para mim…

Inominável Ser
SENDO
TUDO
PARA ELA




terça-feira, 5 de setembro de 2017

Dir En Grey - Obscure



Kuzuki koyoite ikutsu tsurushita

Hitohira 
Awanai hada wo shokushite niku he to kuchinawa wa tainai he fukaku

Hirahirahirato
Massakasama
Oboeteiru no ka
Yoru ga hajimari hishimeku

Kogane iro, toge no haeta kumo ni nari kioku wo megurasete
Memai ga sasou

Bloody baby & sacrifice

Kogane iro, toge no haeta kumo ni nari kioku wo megurasete
Memai ga sasou

Kieteshimaisou na gurai
Kanashige ni mau sakura ni naredo haigo kara kikoeru no wa…

Shi ga hajimari shun






segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Beba Comigo Pelas Madrugadas


Undead Soul Eater - Dahlia Khodur


Beba comigo pelas madrugadas,
vivo ou morto,
sóbrio ou bêbado,
lúcido ou drogado,
desperto ou adormecido,
não pergunte o meu nome,
apenas se entregue,
apenas me pegue,
apenas beba,
seu verme.

Beba
como se fosse a última
de todas as bebidas
que o mundo
poderia te oferecer.

Beba
como se fosse a primeira
das riquezas formadas
antes mesmo
da Escuridão
Nascer.

Beba
como se tuas forças
fossem dependentes
unicamente
da bebida que
lhe ofereço.

Beba
como um sempre sedento
pelo Néctar Proibido
que nem os Deuses
e os Demônios
ousam provar.

Beba
como um sempre ávido
pelo Mar Inominável
que nem O Um
Ousa Manifestar.

Beba,
seu verme,
disto que
te ofereço
como A Santa
que canonizada foi
pelas Noturnas
Igrejas Ocultas,
como A Prostituta
que se deitou
com O Dragão
nas profundezas
das luas.

Beba,
seu verme,
disto que
te trará
talvez
O Fim,
talvez
O Inicio.

Beba,
seu verme,
disto que
te dirá
muito sobre
você
e nada sobre
mim.

Beba,
seu verme,
disto que
te revelará
um Tesouro Infinito
sobre os Ossos
Dos Mundos
e uma Absoluta Miséria
sobre os Trapos
Da Criação.

Beba,
seu verme,
eu
peço,
eu
rogo,
eu
suplico,
eu
ordeno…

Beba,
seu verme
decadente…

Beba,
seu verme
putrefato…

Beba,
seu verme
destroçado…

Beba,
seu verme
insosso…

Beba,
seu verme,
de tudo que
as madrugadas
depositaram
do Lixo
e da Opulência
Transcendentais
em minha
taça...

Beba comigo pelas madrugadas,
violento ou pacífico,
sensual ou puritano,
egoísta ou altruísta,
louco ou são,
adivinhe meu nome,
apenas se negue,
apenas me afirme,
apenas beba,
seu verme.

Inominável Ser
UM VERME
A BEBER




Ophera IX - Born In The Grave



The mournful sound of a bell, people in prayer.
My body abandoned in the solitude of the wood, imprisoned
By the rags, compelled to suffer from the frostry contact with
The ground.
In the unbroken silence I'm seized with shuddering.
I turn into matter and then into dust.
She flew up.
An imperceptible ascent in the knowledge dimension,
She penetrates the darkest maze of the infinite universe.
My ignorant body will never know the eternity formulas.
Uh, I'm still, She's fluid. I'm frozen. She's wrapped up in the
Warmest blows of knowledge, she flies free.
The secret will be revealed to her... the ingenious one.






terça-feira, 22 de agosto de 2017

Na Eterna Balada De Todas As Nossas Desgraças


Art by Harumi Hironaka


O som mais deturpante entre
os ruídos mais degenerados
de nossa sociedade desencontrada
ecoam nos asfaltos ensanguentados
nos pisos destroçados
e nos tetos quedantes de nossas
desgraçadas moradas


Muito se fala em uma solução
mas
a Deusa Desgraça aponta para
o próprio abismo que para nós
moldamos


Muito se fala para termos fé
mas
a Deusa Desgraça assobia olhando
para as cruzes onde depositamos
nossos ídolos dourados


Muito se fala em criarmos condições
mas
a Deusa Desgraça começa a dançar
sobre nossos antigos e novos e futuros
planos contra a decadência terrestre


Enquanto falamos
Ela Dança


Enquanto teimamos em ficar falando
Ela Dança


Enquanto apenas falamos
Ela Dança


Enquanto insistimos nas falas
Ela Dança


E Dança


E Dança


E Dança


E Dança


E Dança


E Dança


E Dança


E Dança


E Dança


E Ela
Como Dançarina
faz uma festa tremenda
resultando em mais
escombros sobre nós


E Ela
Como Dançarina
faz outra festa tremenda
realizando outros escombros
sempre sobre nós


E Ela
Como Dançarina
faz todas as festas tremendas
que fazem dos escombros
as nossas verdadeiras camas


Mais rebolativa
do que qualquer Anitta
mais provocativa
do que qualquer Beyoncé
mais sedutora
do que qualquer Rihanna
mais destruidora
do que qualquer Melancia
a Desgraçada Deusa
Que Dança
arremete contra nós
desgraçados dançarinos menores
e todo este nosso
desgraçado planeta a dançar
eternamente em direção ao
Fim
com sorridente frescor
e inabalável ardor


Não escapamos de Seus Passos


Não nos afastamos de Seu Rebolado


Não deixamos de ver Seu Sapateado


Não paramos de dançar ao Seu Lado


Inominável Ser
DANÇANDO
UM DESGRAÇADO
TANGO
COM A DEUSA
DESGRAÇA




segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Mortais & Imortais


Katharina Barth


Os pedaços de carne morta
dos Mortais
e a eterna beleza esplendorosa
dos Imortais:
a efemeridade dos passos
dos Mortais
e a eternidade da Estrada
dos Imortais;
o fim de toda respiração
dos Mortais
e o Grande Ar nos pulmões
dos Imortais;
as falhas que se acumulam
dos Mortais
e os sucessos ininterruptos
dos Imortais;
as chagas vulcânicas em rebeldia
dos Mortais
e a saúde inderrubável serena
dos Imortais;
as quedas de todas as escadarias
dos Mortais
e as subidas na Grande Escadaria
dos Imortais;
as desgraças aos pés
dos Mortais
e as graças aos pés
dos Imortais;
as misérias nas mãos
dos Mortais
e as riquezas nas mãos
dos Imortais;
as maldições nos rostos
dos Mortais
e as bênçãos nos rostos
dos Imortais;
as dores nos corações
dos Mortais
e a paz nos corações
dos Imortais;
o desespero na mente
dos Mortais
e a tranqüilidade na mente
dos Imortais;
a solidão nas almas
dos Mortais
e a companhia da Unidade
dos Imortais:
as diferenças gigantes
entre os
Povos desta Criação
onde vivem atualmente
todos os Mortais
& Imortais.

Porém,
todos estão unidos
em um Útero
que Antes De Tudo
Existia.
Útero
Que Ainda É
Realizador De Partos.
Útero
Que Ainda É
Fundamento Do
Grande Parto.
Útero
Que Ainda É
O Momento Dos
Grandes Nascimentos.
Útero
Que Ainda É
O Chamado Dos
Grandes Momentos.
Útero
Que Ainda É
O Chamariz
Dos Únicos Movimentos.
Útero
Que Eternamente Será
O Primeiro De Todos
Os Úteros
Mais Férteis
De Toda A Expansão
Da Obra Moldada.
Útero
Da Primeira Mãe.
Útero
Da Primordial Mãe.
Útero
Daquela Que Gritou
Primeiro
Acima De Todas
As Outras Mães.
Útero
Da Deusa Escuridão,
Mortais
& Imortais.

Nossa Mãe,
Mortais
& Imortais,
que vela por nós
dentro das
Vastas Formas
Que Pelo Infinito
Se Expandem
Dentro Do Manifestado
Útero
Que Ela Ajuda
A Tudo Moldar.

Inominável Ser
APENAS
UM SER
ENTRE TODOS
OS MORTAIS
& IMORTAIS