quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

As Sete Lições Da Rainha Do Inferno


Pombagira Rainha Do Inferno - Felipe Caprini


A Rainha Do Inferno
Me chamou com um grito
Que estremeceu
O Abismo
E eu fui até diante
Do Trono Dela
Em meio ao fogo
E labaredas tenebrosas
Entre Diabos
E Diabas
Acorrentados aos pés
Dela

A Rainha Do Inferno
Só olhou firme
Para mim
E recebi Sete Lições
Que Ela pediu
Para eu dizer
A quem puder
Compreender
O que nascido é
Das Profundezas
Infernais

A Primeira Lição
Diz que toda ação
Feita no Reino
Da Razão
Leva um nome
Para cima dos picos
Das Montanhas
Da Dor

A Segunda Lição
Diz que tudo velado
Esconde Outros Véus
Que vociferam Nomes
Em meio ao Lodo
Imaterial
Agitado Pelas
Ondas Do Kaos

A Terceira Lição
Gera ondas de
Poderosa Maldição
Sobre Aqueles
Que Vestem
O Véu Devastador
Sem Saberem Ser
Construtores De Algo

A Quarta Lição
É sobre as chegadas
De todas as
Transformações
Que múltiplas
Se encarregam de
Ligarem A Sombra
À Luminosidade

A Quinta Lição
Ressoa como
O Romper Existencial
Que limita o avanço
De tudo que empurra
Para a ribanceira
Dos fatos aniquilantes
Da esperança
Nos corações

A Sexta Lição
É Eco Pluralizante
Das Extremas Verdades
Que velozes assumem
Grandes Paisagens
Dadas aos
Grandes Seres
Que habitam
Ainda adormecidos
Na mente humana

A Sétima Lição
Rapidamente vem
Rapidamente fica
Rapidamente é
A mais difícil
Para todos nós:

Devemos ser
Os Reis
As Rainhas
Os Condes
As Condessas
Os Duques
As Duquesas
Os Marqueses
As Marquesas
Os Príncipes
As Princesas
Os Plebeus
As Plebéias
Dominantes
Dos Infernos
Pulsantes
Em Nossas Almas

A Rainha Do Inferno
Fixou sete Pentagramas
Em mim
E desde aquele
Encontro lá no
Sétimo Reino Infernal
Executo cada um
Daqueles Mistérios
Como Inominável
Mago Do Inferno

A Rainha Do Inferno
Gira pelo mundo
A Serviço das Luzes
Suas comandadas
Militam luminosas
Entre Guardiãs
E Guardiães
Que combatem
A imunda tropa
Dos Sugadores
De Toda Luz

A Rainha Do Inferno
Tem Sete Lições
Para cada um
Sete para você
Comadre
Sete para você
Cumpadre
E faz parte
De Seu Mistério
Dar a cada um
Uma noção maior
Do Poder de todas
As Verdadeiras Chamas
Neste mundo
Cada vez pior

SALVE
A RAINHA
DO INFERNO!!!

SALVE
A RAINHA
DO INFERNO!!!

SALVE
A RAINHA
DO INFERNO!!!

LAROYE POMBOGIRA!!!

LAROYE POMBOGIRA!!!

LAROYE POMBOGIRA!!!

LAROYE POMBOGIRA!!!

LAROYE POMBOGIRA!!!

LAROYE POMBOGIRA!!!

LAROYE POMBOGIRA!!!

LAROYE POMBOGIRA!!!

LAROYE POMBOGIRA!!!

Inominável Ser
SETE VEZES
SEMPRE
APRENDENDO
COM A
RAINHA DO
INFERNO




sábado, 17 de fevereiro de 2018

Uma Festa Nas Mãos Da Alta Madrugada


Zé Pelintra - Monroe Rodriguez Singh


Eu caminhava pela rua,
Vindo da lida,
Passei por uma esquina
E vi um
Zé Pelintra
A dançar com
Mil Almas Benditas.

Parei para observar
E eis que chega
Maria Navalha
Para também dançar
Com outras mil
Das Almas Benditas
A girarem.

E ouvi,
Então,
Os atabaques,
Tocados por Ogãs
Que foram servos
De diversos terreiros
No mundo de carne.

E eu ouvi
Um cântico alegre,
Eu vi
Maria Preta cantando
Muito alegre
Um ponto de energia
Da Grande Encruzilhada.

E Zé Pelintra
E Maria Navalha
Me puxaram
Para dançar,
Pedi licença
Às Almas Benditas
E comecei a dançar.

Dei um passo
Para a frente,
Dei dois passos
Para trás,
Dei três passos
E eis que surge
Uma Padilha.

Maria Padilha
Das Santas Almas
Benditas,
Linda morena
A dançar,
Linda morena
A gargalhar.

E Tranca-Rua,
Meu Amigo,
Meu Cumpadre,
Ficou perto
Firmando a Corrente
De outras Almas
A dançar.

E Zé Pelintra
Continuou a festa,
Cigarro trazendo
Outros Malandros,
Carteado trazendo
Outras Malandras,
Festivos Amigos.

E Zé Pelintra
Continuou chamando
Mais Almas Benditas,
Elas chegaram
Do norte e do sul,
Do leste e do oeste,
Todas a dançar.

E com a Padilha
Que comigo sempre está,
Me pus a sapatear,
Me pus a rodopiar,
Me pus a oferecer
Ao momento mágico
Uma dança exemplar.

E olhei para o centro
Da roda
E vi e ouvi milhões de
Sofredoras Almas
Ajoelhadas
A chorar e gemer,
A gritar e a rosnar.

E Zé Pelintra
Comandava
A limpeza daquelas
Tristes Almas,
Comandava com alegria,
Comandava ajudando
Cada uma a melhorar.

Festa boa,
Festa Divina,
Dancei muito,
Dancei tudo,
Ajudei na Magia
E Zé Pelintra me abraçou
Dizendo com alegria:

“É isso aí,
Moço,
A gente tem que dançar,
Dançar sem parar!
Por que ficar
Sem dançar
E ver muito
Filho da puta
Que quer o nosso mal
Rir da gente?
Vamos dançar,
Vamos trabalhar,
Vamos agir na Fé,
Com Oxalá Nosso Pai,
Com Ogum Nosso Pai,
Com Iemanjá Nossa Mãe,
Com Iansã Nossa Mãe,
Girando aqui com cada
Passo que damos
Para ajudar esses
Sofredores todos!
E a gente trabalha
Dançando,
A gente trabalha assim,
Aqui é tudo uma festa,
Mas,
Ninguém fica bêbado,
Ninguém faz safadeza,
Ninguém fica drogado,
Ninguém esquece de abraçar
O irmão necessitado!
Firma isso,
Moço,
No teu mental,
Zé Pelintra,
Teu Malandro,
Sempre vai te orientar
Nessa questão de agir
Como um dançarino
A trabalhar em prol
Da Luz
No meio das Trevas!
E vamos trabalhar muito,
Moço!
E vamos ajudar muitos,
Moço!
E vamos dançar muito,
Moço!
E sem cair
E nem tropeçar,
Moço!”

E eu dancei mais,
E continuo dançando mais,
E continuarei a dançar mais,
Com Zé Pelintra,
Meu Malandro,
Na Encruzilhada Das Almas
A dançar junto comigo!

E a trabalhar!

E a trabalhar!

E A TRABALHAR!!!

SALVE
ZÉ PELINTRA
DA ENCRUZILHADA
DAS ALMAS!!!

SALVE
ZÉ PELINTRA
DA ENCRUZILHADA
DAS ALMAS!!!

SALVE
ZÉ PELINTRA
DA ENCRUZILHADA
DAS ALMAS!!!

SALVE
ZÉ PELINTRA
DA ENCRUZILHADA
DAS ALMAS!!!

SALVE
ZÉ PELINTRA
DA ENCRUZILHADA
DAS ALMAS!!!

SALVE
ZÉ PELINTRA
DA ENCRUZILHADA
DAS ALMAS!!!

SALVE
ZÉ PELINTRA
DA ENCRUZILHADA
DAS ALMAS!!!

SALVE
ZÉ PELINTRA
DA ENCRUZILHADA
DAS ALMAS!!!

SALVE
ZÉ PELINTRA
DA ENCRUZILHADA
DAS ALMAS!!!

Inominável Ser
DANÇANDO
TRABALHANDO
COM O ZÉ PELINTRA
QUE O ACOMPANHA