quarta-feira, 7 de junho de 2017

Faço-Me Rei


Mordaine - Mahafsoun 


                      Nu desde o mais oculto
                      Recôndito meu revelado
                      Na mais profunda rebeldia
                      Dos meus laços,
                      Vejo-me no imenso rio,
                      Navegável por excelência,
                      Do teu infinito reino.

                      Coroada estás plenamente,
                      Tão rainha que és
                      Da premente satisfatória
                      Energia primal de toda magia,
                      Magia esta de toda nobreza,
                      Nobreza esta de toda 
                      Certeza,
                      Certeza esta de qualquer
                      Verdade.

                      Faço-me rei sem trono,
                      Tronos são pó,
                      Pois apenas o pó reina
                      Quando somos enterrados,
                      Envoltos por uma madeira
                      Abaixo de um solo
                      Que pisamos quando mortos
                      Vivos.

                      Vem a minha realeza
                      De uma célula ínfima
                      De alguma talvez esperança,
                      A dádiva de quem sofre,
                      Ruptura dos fortes,
                      Fortaleza dos fracos,
                      Firmeza dos mornos.

                      Forte eu sou,
                      Fraco eu seja,
                      Morno sempre serei,
                      Tudo é tríplice sofrer
                      Pois faço-me rei
                      Sem ter uma rainha por mim
                      Coroada
                      Todo dia a todo mês.

                      A rainha,
                      Aquela rainha coroada,
                      Ígnea fonte de tempestades,
                      Ocorrências do meu Ser,
                      Ser natimorto desde primeira
                      Idade,
                      Vagando como um zumbi
                      De muitos anos nas idades.

                      Pálida és minha soberania,
                      Vazia torpeza vadia,
                      Insatisfatória formação real,
                      Um leque não-aberto
                      Numa essência 
                      Não-governada
                      Por ser uma crença não-tida
                      Num livro não-lido.

                      Este é o rei sem rainha por 
                      Ele coroada,
                      O torpe fracasso 
                      Representado,
                      Nascido para ser deposto
                      Do ilusório trono de sempre,
                      Vagamente almejado tanto
                      À luz de uma soberana
                      Que vassalo me torna.

                      É a minha soberania
                      O véu da densa inatividade
                      Da fundação de um reino,
                      Pois sou coroado
                      Pela fulminante certeza
                      Do não-amor por mim
                      Em cada rainha por mim
                      Coroada           

                      Rei para o nada distante sou,
                      Faço-me rei reinante
                      Na coroada dor da manhã,
                      Na coroada dor da tarde,
                      Na coroada dor da noite,
                      A dor já esposa,
                      Minha única rainha por mim
                      Não-coroada.
                       
Inominável Ser
REINANDO
NA ESPOSA
DEUSA DOR




Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: