quarta-feira, 7 de junho de 2017

Personagem


... like a gothic girl - Victoria Morphine


No novo livro que eu escrevo
Para minha nova vida
Sem nenhum desespero,
Criei uma personagem,
Uma mulher sagrada verdade,
Que possa me amar,
Venerar-me como ao mar,
Desejar-me como a um doce.

A personagem é bela Deusa,
Bela amada mais amada
Do que as nascidas
Dos mais antigos romances,
É a paz que qualquer homem
Procura muito longe
E que eu encontrei perto,
Muitíssimo desperto.

Vivo com a minha personagem
Todas as histórias nunca escritas
E nem vistas antes
E nem contadas ainda
Sobre a mais amada
Alta relação amorosa,
Relação sem fracas ações,
Relação de fortes noções.

A personagem é a Deusa Felicidade,
É A Feminina Mais Fêmea
De todas as mulheres,
A Pérola Maior Da Feminilidade,
O Diamante Sublime Das Beldades,
A Riqueza Rara
Que me paga esparsa
Com amor de graça.

Parece que a minha personagem
É uma figura de verdade
De um conto de fadas
Da impura realidade,
É uma mulher que toco,
É uma mulher que me toca,
É a certeza da união
Com O Absoluto Céu Fátuo.

A personagem é isso,
A personagem é isto,
Aqui revelo o que é
Essa mulher impossível
De ser encontrada
Por um poeta muito imaginativo,
O exemplo máximo do homem sofrido:
Um Ser das páginas de um livro.

Criei essa personagem,
Minha amante,
Minha namorada,
Minha esposa,
Minha amada,
Em um período de descanso
Dado pela minha companheira Deusa Dor
À minha alma incolor.

A personagem inexiste,
É um fantasma
Visto por um homem triste,
Eu,
Que a pensei viva linda
Em meus braços muito mortos
Fora das páginas
Do novo livro que escrevo.

Em fantasias sou mestre.

Inominável Ser
MESTRE DE
INÚMERAS
FANTASIAS




Reações:

0 Lamentos Finais De Cadáveres: